TIP Talk: Indivíduo vs Empresa fora de Portugal

Quando falamos de indivíduos portugueses a trabalhar noutros países, a lista de qualidades parece não ter fim. Por outro lado, quando o assunto são empresas portuguesas a operar além-fronteiras, o caso muda de figura e a penetração no mercado é muito mais complexa. A visão é de António Coimbra, CEO da Vodafone Espanha, que contou a sua experiência no país vizinho – e não só – na mais recente TIP Talk organizada pela Marketeer, subordinada ao tema TIP on Experiences… de Portugal para o Mundo. A ele juntou-se Mário Guerreiro, vice-presidente do Grupo Volkswagen na América, numa conversa em que o mundo da gestão dentro e fora de Portugal deu o mote.

Na verdade, embora o objectivo fosse comparar os modelos de gestão em Portugal com os praticados no estrangeiro, o foco acabou por iluminar os portugueses e o que os distingue dos restantes profissionais nas mais diferentes áreas. Se sempre ouvimos dizer que o português é “desenrrascado”, António Coimbra é mais específico e diz que é mestre da arte de adaptação. Entre as vantagens que os portugueses exibem, o CEO da Vodafone Espanha destaca a excelente preparação académica e, acima de tudo, a facilidade de adaptação ao ambiente que o rodeia, seja a Alemanha ou o Japão. Mário Guerreiro concorda e fala em capacidade de improviso e sobrevivência. Segundo o vice-presidente do Grupo Volkswagen na América, a facilidade de adaptação deve-se à necessidade de sobreviver num meio estranho, tendo de provar o seu valor – não por ser de Portugal mas simplesmente por ser de outro país.

Quanto a empresas, o consenso vai para a dimensão dos recursos. Se em Espanha, por exemplo, o mercado é maior a par dos recursos disponíveis, em Portugal os recursos acompanham também o tamanho do país e são mais reduzidos. Contudo, esta mesma realidade contribuiu para a tal capacidade de adaptação. É que os portugueses parecem ter aprendido a fazer mais com menos e a tirar partido do que têm à disposição.

Há ainda outra desvantagem nas empresas portugueses, além dos parcos recursos: a formalidade. Tanto Mário Guerreiro como António Coimbra apontaram o excesso de fomalidade como um obstáculo na gestão das empresas e no seu desenvolvimento. Adicionalmente, lembra Mário Guerreiro, Portugal tem uma cultura de pessimismo que é já crónica e que impede, muitas vezes, de mergulhar na piscina de oportunidades – metáfora que empregou para explicar as diferenças entre portugueses e outras culturas de negócio.

A finalizar a TIP Talk, voltámos ao início. «Ser português não é uma limitação», disse António Coimbra mas o mesmo não se aplica às empresas portuguesas. O CEO da Vodafone Espanha deu o exemplo do País vizinho para referir que é muito mais fácil, em Portugal, uma empresa estrangeira competir com as nacionais do que em Espanha, que é um mercado mais proteccionista, ainda que aberto ao mundo. Posto isto, é difícil para as empresas portuguesas serem portuguesas até em Portugal, quanto mais noutros destinos.

Texto de Filipa Almeida

Artigos relacionados

Comentarios

Seu endereço de email não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.